Pesquisa
domingo 15 setembro 2019
  • :
  • :

Líder da luta camponesa no Brasil, Elizabeth Teixeira, completa 94 anos

Hoje é o 94º aniversário de uma das mulheres mais importantes na história da luta camponesa do Brasil, a paraibana  Elizabeth Teixeira.

Líder camponesa que, após o assassinato do seu companheiro João Pedro Teixeira, recusou o convite de Fidel Castro para viver em Cuba com seus filhos para dar continuidade à luta  pela Reforma Agrária.  Foi presa por várias vezes e, numa delas, retorna à casa para se deparar com a tragédia do suicídio da filha mais velha, que não suportou conviver com a possibilidade de a mãe ter o mesmo destino do pai.

Em 1964, com a instalação do regime Militar, Elizabeth é presa pelo Exército e passa oito meses na cadeia. Na volta, precisa fugir para não ser morta. Muda  de cidade e nome, com apenas um dos 11 filhos – Carlos, que é rejeitado pelo avô por se parecer muito com o pai. Passa 17 anos afastada da família, vivendo com a identidade de Marta Maria da Costa.

Permaneceu clandestina até 1981, quando foi encontrada pelo cineasta Eduardo Coutinho, que retomara as filmagens de seu documentário Cabra Marcado para Morrer. Foi morar em João Pessoa, numa casa que ganhou de Coutinho.

Nas suas palavras: “Enquanto houver a fome e a miséria atingindo a classe trabalhadora, tem que haver luta dos camponeses, dos operários, das mulheres, dos estudantes e de todos aqueles que são oprimidos e explorados. Não pode parar.”

Ano passado, na gestão do então governador Ricardo Coutinho(PSB), Elizabeth recebeu a Medalha da Liberdade, durante ato solene, ‘A Paraíba pelos Direitos Humanos’, para celebrar os 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Parabéns Elizabeth, que sua história seja sempre lembrada como símbolo vivo de resistência e luta do povo camponês.

#SemAMulherALutaVaiPelaMetade

Compartilhe!



Acessibilidade