Pesquisa
domingo 17 novembro 2019
  • :
  • :

Fundação João Mangabeira discute conservação e desenvolvimento na Amazônia

Vice-presidente da Fundação João Mangabeira, Alexandre Navarro, durante abertura do Pense Brasil Meio Ambiente, ao lado do presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira

 

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, fez um discurso empolgante sobre o processo de Autorreforma pelo qual passa o partido

O evento da Fundação João Mangabeira, do PSB, reuniu ecologistas, cientistas, e líderes políticos em Macapá, AP.
O Seminário Pense Brasil Meio Ambiente: fronteiras e profundidades do Brasil Sustentável, realizado pela Fundação João Mangabeira (FJM), do Partido Socialista Brasileiro, PSB, deu continuidade à discussão sobre a conservação e o desenvolvimento sustentável da Amazônia, temas que norteiam o Programa de Desenvolvimento Sustentável da Amazônia do PSB.

Philip Fearnside: Os dados do INPA asseguram que não há causa natural para o aumento das queimadas na Amazônia, que elas são obras do homem”

Carlos Siqueira, presidente nacional do PSB, disse na abertura do seminário que a região Amazônica deve ser a prioridade do projeto de desenvolvimento nacional. A partir da riqueza deste grande bioma, a Amazônia tem capacidade de contribuir para o desenvolvimento do Brasil e do planeta. Alexandre Navarro, vice-presidente da Fundação João Mangaberia, afirmou que “sustentabilidade tem três pernas: sociedade, economia e ambiente. Hoje, a sustentabilidade tem o mesmo peso que a democracia”.

O teatro Leonor Barreto Franco do SESI Amapá foi palco de um debate de alto nível sobre Meio Ambiente

Prêmio Nobel da Paz em 2017, Philip Fearnside, cientista do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), abriu o painel A Verdade Sobre os Números do Desmatamento e as Consequências da atual Política Ambiental Brasileira, inconformado com o descaso com o qual o governo Bolsonaro trata o Meio Ambiente. “Quando o ministro do Meio Ambiente posa para os jornais em uma plantação de soja ilegal, dentro de uma reserva indígena, ele está passando a ideia de impunidade. Os dados do INPA asseguram que não há causa natural para o aumento das queimadas na Amazônia, que elas são obras do homem”. Philip também fez um alerta sobre o aquecimento global. “Com as mudanças climáticas, no ritmo que estão, em 2100, teremos um aumento de temperatura de 6º a 8º, podendo chegar a uma temperatura de mais de 50º nos dias mais quentes. E o governo brasileiro se alinha com os negacionistas do aquecimento global e quer deixar o Acordo de Paris”.

Ismael Nobre: novas tecnologias e inteligência artificial para agregar valor à biodiversidade da Amazônia

João Capiberibe mostrou um exemplo prático de projeto de desenvolvimento sustentável para a Amazônia

Fábio Maia, diretor de organização da FJM, lançou o livro História do Partido Brasileiro no Amapá, editado pela Fundação João Mangabeira. O livro conta a história do PSB Amapá, fundado em 1986, quando o Amapá, ainda era Território Federal. A trajetória do Partido no Estado se confunde com a história da família Capiberibe, que levou a gestão do PSB ao governo estadual, em dois mandatos, à prefeitura de Macapá e às bancadas da Câmara dos Deputados e do Senado.

Na mesa Promover a Conservação e o Desenvolvimento na Amazônia: Utopia ou Realidade, Ismael Nobre, diretor científico do Projeto Amazônia 4.0, a presentou o trabalho que vem fazendo ‘para levar as novas tecnologias e inteligência artificial para agregar valor à biodiversidade da Amazônia. “Com as novas tecnologias se agrega valor à produção local e as comunidades deixam vender matéria bruta, com baixo valor. Um exemplo é a produção de chocolate, onde é necessário manter um padrão de qualidade na torrefação do cacau e do cupuaçu. Com máquinas equipadas com sensores e inteligência artificial conseguimos produzir o mesmo produto em várias comunidades. Essa produção é viável a partir de micro usinas de energia solar, que viabilizam também ligação, via internet, por satélite”.

O diretor de organização da FJM, Fábio Maia, durante moderação da mesa formada por Carlos Eduardo Young e o vencedor do Nobel Philip Fearnside

João Capiberibe, ex-governador do Amapá, trouxe um exemplo prático e apresentou oo Programa de Desenvolvimento Sustentável do Amapá, implantado em seu governo, na década de 1990. “Com o programa, um grupo extrativista do sul do Estado, que vendia castanhas a troco de leito em pó, passou a dominar toda a cadeia produtiva da castanha, produzindo farinha, biscoitos e óleo de castanha, que passou a ser consumido na merenda escolar da rede pública de ensino e até hoje é fornecido para a Natura, indústria de cosméticos. Esse grupo criou o Fundo Iratapuru, com $ 14 milhões em investimentos, responsável pela educação e capacitação de todos os jovens da comunidade”.

Especialista em Direito Ambiental, Eldis Camargo dos Santos, mostrou que o país tem uma legislação para o Meio Ambiente e outra para os Recursos Hídricos, mas que o Meio Ambiente exige ações integradas, que é impossível fazer uma boa gestão ambiental no País com essas duas leis que não se conversam.

Os deputados do PSB, Janete Capiberibe, Alessandro Molon, e Camilo Capiberibe discutiram o Papel do Congresso na Agenda Ambiental, mostraram as pautas e os embates referentes à questão do Meio Ambiente, que são relevantes no Congresso Nacional nesse momento e como o PSB pode contribuir com o desenvolvimento sustentável.

Compartilhe!



Acessibilidade